Auditoria confirma indícios de irregularidades e moradores pedem devolução de dinheiro pago em condomínio.

Caso é investigado pela Delegacia de Crimes contra a Economia e Proteção ao Consumidor

Auditoria contratada por um grupo de moradores confirmou indícios de irregularidades na administração do Village Paraná, um condomínio localizado no bairro Tingui, em Curitiba. A suspeita de que algo poderia estar errado começou em julho do ano passado, com um valor considerado alto por parte dos condôminos. O documento, resultado da auditoria, foi entregue à Delegacia de Crimes contra a Economia e Proteção ao Consumidor (Delcon), que já investiga o caso.

De acordo com uma moradora do condomínio, que preferiu não se identificar, esse grupo não tinha a sensação de que o valor pago estava sendo repassado para a coletividade, o que deu início à investigação. “Decidimos procurar contratos e notas fiscais, não encontrando no site da administradora. Levamos o caso para a Delcon, que constatou alguns indícios de apropriação indébita, mas no momento estamos aguardando um posicionamento”, comentou.

Advogado destes moradores, Marcelo Paste explicou que o inquérito está prestes a ser concluído, e a auditoria deixa clara as irregularidades. “Pelas provas que analisamos nos autos, encontramos indícios de estelionato, apropriação indébita e associação criminosa. Há também irregularidades de cunho administrativo e má gestão, como superfaturamento de contratos.
Acredito que esse processo dará uma ação penal para a ex-administradora e o ex-sindico do condomínio”, disse.
Quando as investigações começaram, a administradora negou qualquer irregularidade. Segundo um dos responsáveis, o sistema de controle é liberado para todos e esses moradores estariam em uma “disputa de poderes” para colocar um prestador de serviços ligado ao grupo. A empresa garante que até o momento nenhuma irregularidade foi apontada e o objetivo do grupo era o de não renovar alguns contratos antes da eleição. Sobre a investigação, a empresa disse estar “absolutamente tranquila” e definiu a denúncia como “ridícula”.
A Delcon segue investigando o caso. Os moradores pedem que a empresa e o ex-síndico sejam responsabilizados criminalmente e que o dinheiro investido seja devolvido ao condomínio.
Notícia Relacionada:
Fonte: http://www.bandab.com.br/

Gostou do conteúdo? Compartilhe:

Deixe uma resposta